Sábado, 04 de Dezembro de 2021
65 99680-8810
Polícia Macabro: facção

Macabro: facção enterra quatro rivais ainda vivos e martela 22 pregos nas costas de ‘x9’,; cenas fortíssimas

O Instituto Médico Legal (IML) removeu os corpos do local. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) investiga o caso

21/10/2021 16h28 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Fonte: cm7
Reprodução
Reprodução

Na manhã da última quinta-feira (29), quatro corpos foram encontrados empilhados em cova rasa. O fato ocorreu em um sítio localizado no Ramal da Sudam, na zona Rural de Itacoatiara, distante 270 km de Manaus.

Segundo informações do tenente-coronel Beckman, um dos alvos da chacina teria conseguido se salvar após fingir-se de morto dentro de uma espécie de porão. Ele relatou  que dois carros invadiram o sítio e renderam todos que estavam lá, um total de seis pessoas.

Três dessas seis pessoas foram enforcadas com cordas até a morte, e enterradas em cova rasa. Outro, conhecido como vulgo ‘Pacomão’, foi enforcado e ainda recebeu terçadadas no pescoço, e também foi jogado na mesma cova que os outros.

Os outros dois sobreviveram, sendo um deles o caseiro do sítio, que levou um tiro no fêmur. O rapaz que estava preso no porão só conseguiu sobreviver porque se fingiu de morto, mesmo com a corda no pescoço.

Ele relatou momentos de terror que sofreu. Após ser enforcado, ele foi levado ao porão e trancado com paus e pregos para ninguém entrar e achar seu corpo. No entanto, quando ele ouviu os assassinos irem embora de carro, ele abriu a porta com as próprias costas.

Mesmo com  22 perfurações nas costas, ele andou até conseguir chegar ao Hospital Regional José Mendes, onde recebeu atendimento e denunciou todo o crime.

A polícia foi até o local e apurou o caso. Eles acreditam que, pelos sinais de tortura, os assassinatos foram motivados pela guerra do tráfico de drogas, onde ‘Pacomão’ era o chefe da quadrilha.

O Instituto Médico Legal (IML) removeu os corpos do local. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) investiga o caso.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.